O Núcleo Belo Horizonte integra o Observatório das Metrópoles desde seu início em 1998, juntamente com as equipes do Rio de Janeiro e de São Paulo. Sediado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), o núcleo é coordenado por Jupira Gomes de Mendonça e Luciana Teixeira de Andrade. 

Para o projeto “Reforma Urbana e Direito à Cidade: desafios para o desenvolvimento nacional”, com organização de Jupira Mendonça (UFMG), Luciana Teixeira de Andrade (PUC-Minas), Junia Ferrari de Lima (UFMG) e Thiago Canettieri (UFMG), participam 45 pesquisadores(as) vinculados ao núcleo.

Equipe

Alexandre Magno Alves Diniz
PUC-Minas
Ana Carolina Soraggi
UFMG
Ana Clara Vargas de Melo
UFMG
Ana Laura Souza Vargas
UFMG
Ana Marcela Ardila Pinto
UFMG
André Mourthé de Oliveira
UFOP
André Veloso
UFMG
Bárbara Lúcia Pinheiro França
UFMG
Carina Castro
UFMG
Carlos Alberto Rocha
PUC-Minas
Carolina Soares Lima
UFMG
Clarissa Campos
UFSJ
Cláudia Guimarães Horta
Fundação João Pinheiro
Daniel Freitas
UFMG
Daniela Abritta
UFSJ
Gabriela Resende Coelho
UFMG
Isabella Flach Gomes
UFMG
João Tonucci
UFMG
João Vitor Rodrigues
UFMG
Júlia Birchal
UFMG
Juliana Luquez
UFMG
Junia Ferrari de Lima
UFMG
Jupira Mendonça (Coordenação)
UFMG
Laís Grossi de Oliveira
UFMG
Laura de Paula e Silva
UFMG
Lea Souki
PUC-Minas
Leonardo Batista de Andrade
UFMG
Letícia Clipes
UFMG
Lisandra Mara Silva
UFMG
Luciana Andrade (Coordenação)
PUC-Minas
Maria Luisa Martins
UFMG
Mariana Almeida Ventura
UFMG
Mariana Bubantz Fantecelle
UFMG
Marina Paolinelli
UFMG
Natália Alves
UFRJ
Natália Mol
UFMG
Philippe Urvoy
UFMG/Upsala University
Renata Salles
PUC-Minas
Renato Barbosa Fontes
UFMG
Rita Velloso
UFMG
Rogério Palhares Araújo
UFMG
Sophia Guarnieri
UFMG
Taís Clark
UFMG
Thaís Nassif
UFMG
Thiago Canettieri
UFMG
 
  • Região Metropolitana de Belo Horizonte

    Belo Horizonte é uma cidade que nasceu marcada pela segregação e pela ocupação periférica; quinze anos após a sua inauguração, dois terços da sua população viviam fora da chamada Zona Urbana. No processo de metropolização também prevaleceu a retenção especulativa na área central e os loteamentos informais nas periferias. Mais recentemente, a fragilidade das políticas habitacionais provocou a ocupação organizada de terras urbanas. Seguem em disputa, portanto, na capital e na RMBH, os princípios preconizados pela Reforma Urbana, mesmo depois de governos do campo progressista na cidade.

    Este é o quadro em que se inserem as pesquisas do Núcleo Belo Horizonte do Observatório das Metrópoles, que geraram as reflexões apresentadas neste livro, composto de cinco partes, que agrupam textos curtos. Na Parte 1, é apresentado o panorama no qual se situam as disputas pelo direito à cidade. A Parte 2 discute o sentido da governança neoliberal e suas implicações na RMBH. Como contraponto, é apresentada a trajetória da política de urbanização de favelas em Belo Horizonte, construída a partir da luta dos movimentos sociais e de administrações progressistas. A Parte 3 apresenta reflexões sobre as experiências de luta e da participação da universidade na construção de instrumentos urbanísticos: o Plano Diretor de Belo Horizonte, o PDDI, o Macrozoneamento e as revisões de alguns planos diretores da RMBH. Na Parte 4 é traçado um panorama recente das lutas urbanas por direito à cidade, pelo comum urbano na RMBH, o urbanismo feminista e as grafagens espaciais antirracismo. Finalmente, a Parte 5 apresenta um conjunto de propostas construídas nas discussões entre os pesquisadores do núcleo, entre os participantes do Curso de Formação de Ativistas e Agentes Sociais e, ainda, no III Fórum de Desenvolvimento Metropolitano: Reforma Urbana e Direito à Cidade na RMBH, a ser realizado entre os dias 08 e 10 de setembro de 2022.

    Organização: Jupira Mendonça (UFMG), Luciana Teixeira de Andrade (PUC-Minas),  Junia Ferrari de Lima (UFMG) e Thiago Canettieri (UFMG)

    Saiba mais sobre este livro